Ministério da Cultura, Governo do Estado do Espírito Santo, Petrobras e BNDES apresentam:


Homenagem a Paulo José emociona o público do 21º Vitória Cine Vídeo

16/09/2014

A quarta noite do Festival de Vitória – 21º Vitória Cine Vídeo foi marcada pela emoção. O Theatro Carlos Gomes estava com lotação máxima para prestigiar a homenagem ao ator e diretor Paulo José e para assistir aos filmes das mostras competitivas. Os apresentadores da sessão foram os atores Bruno Torres e Leonardo Medeiros que foi encerrada com a exibição do longa-metragem “A História da Eternidade”, de Camilo Cavalcante. Estavam presentes na homenagem a Primeira Dama do Espírito Santo, a Senhora Virgínia Casagrande, e do Secretário de Estado da Cultura, Maurício José da Silva.

Antes da homenagem, o público conferiu quatro filmes da 18ª Mostra Competitiva Nacional de Curtas. A animação goiana, “Viagem na chuva”, de Wesley Rodrigues, é a representante única do gênero nesta edição da Mostra Competitiva de Curtas. Também é a primeira vez que Wesle participa com um filme no Festival de Vitória. No palco, o diretor indicou o que o público experimentaria ao assistir o filme na telona: “não se preocupem muito com a história, apenas entrem na imagem, na animação, na arte”, disse.

Em seguida foi exibido o aguardado curta gaúcho gaúcho “Na hora dos morcegos”, de Richard Tavares. Esta foi a estreia nacional do filme no circuito de festivais. “É um filme que fala sobre saudade”, convida o diretor para que o público conheça seu novo trabalho. A ficção carioca “Cloro”, de Marcelo Grabowsky, reposiciona a temática de doença no ambiente mais viciado de todos, a aristocracia decadente do Rio de Janeiro.

A seleção de curtas da noite fechou com “O clube”, de Allan Ribeiro, grande vencedor do 6º Paulínia Film Festival, pelo qual levou os prêmios de de Melhor Filme, Melhor Direção, o Júri Popular e o Prêmio da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine). Allan Ribeiro subiu ao palco com Giovani Barros, que já havia exibido seu curta “A hora azul”, no primeiro dia da Competitiva de Curtas, e participa da equipe de produção “O Clube”.

O filme é ambientado em um antigo clube de drag queens do Rio de Janeiro, onde é comemorado os 53 anos da ‘Turma OK’. “É um lugar que quando eu fui pela primeira vez parecia que eu estava em outra época, como se fosse um túnel do tempo. A gente buscou uma forma nossa de contar as histórias dessas pessoas, ficcionalizando, então é muito nosso. Assim como no ‘Esse amor que nos consome’ [vencedor da Mostra Competitiva de Longas do 19VCV], foi uma parceria minha com esses grupos. Eu não acredito que alguém poderia chegar ali e fazer esses filmes, poderia até fazer melhor, mas não seria ‘esse filme’, pois precisa da sintonia grande de perceber onde você pode tirar essas atuações, qual a estratégia de abordar cada um deles, que não são atores, e um tempo para conseguir a confiança deles também. Eu virei sócio da Turma Ok, frequentei durante um ano mais intensamente, e fomos definindo o roteiro nesse processo todo”, contou Allan Ribeiro.

Homenagem a Paulo José

Com 77 anos de vida e 60 de carreira, Paulo José emocionou a todos com o seu carisma. Por volta das 21 horas, ele ocupou o palco Theatro Carlos Gomes acompanhado de suas filhas e atrizes Bel e Ana Kutner  (foto no início da matéria) e recebeu o Troféu Marlin Azul. Pela tarde, ele já havia participado de uma coletiva de imprensa onde falou dos momentos mais significativos de sua biografia, na ocasião também foi lançado o Caderno do VCV – Homenageado Nacional – publicação do 21º VCV que traz uma extensa reportagem e imagens de sua trajetória no teatro, cinema e televisão.

Bem humorado, fez piadas, recitou poesias e ainda brincou com texto dos apresentadores. Da designer capixaba Carla Buaiz, Paulo José ganhou um prendedor de gravatas, trata-se de uma peça exclusiva criada especialmente para o homenageado. Um vídeo com entrevista e imagens marcantes de sua carreira produzido pelo Canal Brasil também foi exibido. Após a homenagem, Paulo José permaneceu no Theato e assistiu ao longa-metragem “A História da Eternidade”, de Camilo Cavalcante.

Ouça a fala de Paulo José durante a homenagem:

[soundcloud url=”https://api.soundcloud.com/tracks/168006666″ params=”auto_play=false&hide_related=false&show_comments=true&show_user=true&show_reposts=false&visual=true” width=”100%” height=”600″ iframe=”true” /]

A História da Eternidade

a historia da eternidadeA ficção pernambucana “A História da Eternidade” foi representada pelas atrizes Zezita Matos e Marcélia Cartaxo (foto ao lado) que subiram subiram ao palco e convidaram a público a prestigiarem a exibição. Quinta produção da 4ª Mostra Competitiva Nacional de Longas, essa filme foi o grande premiado no Paulínia Film Festival deste ano, levando  os  prêmios de Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Ator (Irandhir Santos), Melhor Atriz, prêmio dividido entre as atrizes que protagonizam as três tramas do filme, Marcélia Cartaxo, Zezita Matos e Debora Ingrid) e o grande prêmio da crítica, concedido pela Associação Brasileira dos Críticos de Cinema (Abraccine).

A “História da Eternidade” conta a história de amor e desejo de três mulheres de vilarejo com aproximadamente 40 habitantes em uma paisagem desértica nordeste brasileiro. Um lugar ermo, onde tudo acontece num ritmo cadenciado, onde acontecimentos se repetem eternamente no palco da tragédia humana. O filme tem no elenco o ator Irandhir Santos, consagrado por “Viagem porque preciso, volto porque te amo”, de Marcelo Gomes e Karin Ainouz e “Tatuagem”, de Ilton Lacerda.

Leia mais:

Paulo José é o grande homenageado do 21º VCV

“A História da Eternidade” faz parte da 4ª Mostra Competitiva Nacional Longas

Conheça os filmes da 4ª Mostra Competitiva Nacional de Longas